Pastor Ronaldo Robson Luiz

Pastor Ronaldo Robson Luis.

Um dos maiores desafios da igreja cristã em nossos dias é a integração dos novos crentes. Um número impressionante dos chamados “desigrejados” – cuja ideia é a do “crer sem pertencer” – tem sido apresentado pelas estatísticas oficiais no Brasil, demonstrando um fenômeno já comum em outras partes do mundo, como a Europa e os Estados Unidos. Com isso, muitos dos que ouvem o evangelho, e até mesmo tomam uma decisão ao lado de Cristo, decidem não se congregar em nenhuma igreja.

Diante desse cenário, precisamos, enquanto igreja, promover ações que visem a integração saudável das pessoas que são alcançadas pela mensagem do evangelho, levando-as a um convívio saudável no Corpo de Cristo. Essa é a missão do Ministério de Integração da Capunga.

Com o objetivo de alcançar essa missão, temos as seguintes atribuições:

1. Promover e coordenar atividades que busquem fomentar, coletivamente, o crescimento espiritual e o estreitamento de laços entre os membros da Igreja Batista da Capunga, tais como congressos e acampamentos, entre outras atividades coletivas;

2. Planejar atividades para atuar ao lado dos novos convertidos, por meio de discipuladores, levando-os a integrá-los nos pequenos grupos;

3. Promover cultos e atividades destinadas aos novos membros, visando a sua integração na Igreja Batista da Capunga e à sua capacitação e desenvolvimento de dons;

4. Preparar material específico para discipulado de novos convertidos;

5.  Sociabilizar atividades de esporte e lazer, com programações diversificadas que promova a união e exercite a comunhão entre os membros da Igreja Batista da Capunga;

6.  Preparar novos convertidos para os batismos;

7. Realizar atividades culturais com o objetivo de promover relacionamentos entre os membros e congregados;

8. Acompanhar o desenvolvimento da membresia da Igreja Batista da Capunga;

9. Coordenar as áreas de Acolhimento, Celebração, Discipulado, Recepção, Membresia e Arte e Cultura do Ministério de Integração.

Pr. Apolônio e Prof Cássia Cavalcante

(TEXTO DE APRESENTAÇÃO)

Ministério da Família oferece ações integradas para que tenhamos famílias cristãs saudáveis, íntegras e felizes na sociedade, sendo responsável por:

1 – Promover e coordenar atividades que busquem fomentar, coletivamente, o crescimento espiritual da família e o estreitamento de laços entre os membros da Igreja;
2 – Promover atividades de comunhão e integração da família, tendo por base a participação de seus membros em programações que estimulem o fortalecimento dos lares, assim como, a interação e a troca de experiência entre as famílias;
3 – Cooperar com a restauração de relacionamentos familiares fragmentados, por meio de aconselhamento, visitação e integração das atividades da Igreja;
4 – Promover atividades para noivos e recém-casados;
5 – Realizar atividades integradoras com os idosos.

Para alcançar esses objetivos, o Ministério da Família, por meio de sua equipe de atuação, promove:
Aconselhamento pastoral | Terapia familiar e de casal | Palestra para casais | Palestras para família: pais, filhos, sozinhos, idosos, etc. | Congresso Bienal da família | Encontro Anual de Casais | Curso para Noivos e Recém-casados | Encontro para a melhor idade.

Além do acompanhamento das famílias, o ministério coordena as atividades dos Pequenos Grupos, responsabilizando-se pela formação e acompanhamento dos líderes, pelo material utilizado e pela supervisão permanente. Para que isso aconteça, os ministros contam com o apoio de supervisores, líderes e auxiliares de líderes, atuando mediante:

1 – Treinamento de líderes para pequenos grupos;
2 – Formação de pequenos grupos, orientando a liderança, encaminhando roteiros semanais e realizando supervisão, por meio de visita aos lares;
3 – Realização de encontros bimestrais com a liderança dos pequenos grupos;
4 – Realização de encontros dois a dois com líderes e supervisores;
5 – Promoção de congresso anual com os participantes dos pequenos grupos;
6 – Visitação nos lares, hospitais e apoio nas adversidades e luto.

Pastor Roberto Santos

(TEXTO DE APRESENTAÇÃO)

Compartilhar a mensagem da salvação é um privilégio de cada pessoa que já foi alcançada por essa mensagem. Mais do que organizar movimentos em prol daqueles que ainda não conhecem o Senhor Jesus, a principal responsabilidade do Ministério de Evangelismo e Missões é capacitar e motivar cada um dos irmãos e irmãs a exercerem e viverem o chamado do Senhor para todos nós. Quando Jesus ordenou “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações” (Mateus 28.19a), Ele não o disse apenas aos 11 apóstolos, mas a toda a multidão de mais de 500 pessoas que o viram subir aos céus. Ele deu aquela ordem para todos os que creem. Ele deu aquela ordem individualmente para mim e para você.

E, para ajudar você a realizar essa obra, Ele providenciou tudo de que você precisa. “E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo”. (Efésios 4.11-13).
A responsabilidade do Ministério de Evangelismo e Missões é ajudar você a exercer seu chamado divino de compartilhar a mensagem do evangelho, sendo obediente ao Senhor, e criar oportunidades para que você possa falar da salvação que há em Cristo Jesus.

Missão: Tornar a mensagem do evangelho conhecida a cada pessoa com que a igreja tenha contato, através do envolvimento pessoal de cada membro da igreja, visando a oportunidade de salvação daqueles que ainda não conhecem o Senhor.

Visão: Capacitar cada membro da igreja para ser um evangelista, que transmite a mensagem de amor e salvação que emana da cruz. “Você, porém, (…) – faça a obra de um evangelista, cumpra plenamente o seu ministério” (2 Timóteo 4.5).

 Diac. Apolônio Ataíde

TEXTO DE APRESENTAÇÃO)

terdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. Morbi tristique mauris nec arcu rutrum, vel egestas sapien fermentum. Vestibulum a dui in nunc sollicitudin imperdiet. Integer lacinia ac neque nec cursus. Phasellus semper a nibh vel malesuada. Maecenas ut libero ultrices lacus sodales porttitor.

Suspendisse a quam in risus molestie iaculis non nec nisi. Aliquam pretium libero vitae lectus imperdiet maximus. Fusce convallis tortor nec mattis dapibus. Aliquam finibus magna eu purus lacinia gravida. Nullam eu sem consequat, molestie est at, tincidunt nulla

Maecenas vel nibh vitae massa tempus congue

Nulla ultricies quis justo non fringilla. Mauris pellentesque sodales risus a tincidunt. Etiam neque ligula, malesuada non neque vulputate, ullamcorper maximus dui.

Donec viverra arcu nec eros aliquet vestibulum. Sed odio neque, vestibulum vitae lorem mattis, lobortis sollicitudin elit. Pellentesque tempor ex nec viverra elementum.

Fusce aliquet, lectus in venenatis sollicitudin, risus erat venenatis ante, sed blandit tortor sapien ac ipsum. Morbi non leo luctus mi pharetra egestas. Ut non lacus neque. Donec ac cursus massa.

Praesent eget neque elementum, finibus arcu interdum, condimentum felis. Phasellus a consectetur mi, vitae vestibulum enim. In vitae arcu ante.

Nunc non aliquam mauris. Aenean commodo viverra ex sed rhoncus. In hac habitasse platea dictumst. Aenean in efficitur urna, a iaculis elit. Nullam auctor in orci non suscipit. Sed efficitur aliquam ipsum in suscipit.

Prof Françacleia Borges de Sousa

Ensinar é dar indicações ou sinais precisos para se reconhecer algo. Em se tratando da Igreja de Cristo, é dar indicações ou sinais precisos para se reconhecerem as pegadas dAquele a Quem devemos a vida em todas as suas formas. Pegadas a cujos moldes nossos passos devem se ajustar, se realmente nos dizemos discípulos.

Ensinar, pois, assim como evangelizar, constitui uma das áreas-fim da Igreja instituída pelo Senhor, quando do imperativo “ide, fazei discí­pulos de todas as nações (…), ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado” (Mateus 28.19-20). Ensina quem assume a responsabilidade de guiar, de mentorear, de sinalizar o caminho a ser trilhado, fazendo-o com um preparo de qualidade, alicerçado em um planejamento racional, sério e que externe a profundidade de conteúdo devida aos assuntos do Reino.

Assim é que nós, lí­deres e professores do Ministério de Educação Cristã, somos desafiados a ser exemplo no próprio ato de educar. Assim é que homens e mulheres, crianças, adolescentes, jovens e adultos são desafiados a ser exemplo, hoje e todos os dias, para crentes e incrédulos, “na maneira de falar, na maneira de agir, no amor, na fé, na pureza” (1 Timóteo 4.12). Este para sempre o desafio da Igreja do Senhor Jesus: no meio de uma geração corrompida e depravada, tornar-se pura e irrepreensível, brilhando como astros no mundo.